Mosaico Mural de Véra Oliveira – II

Com o tema História da Medicina Veterinária no Brasil, o Mosaico Infirmi Sanos Docent é uma síntese dos elementos que formaram o panorama que atualmente apresenta a Medicina Veterinária em nosso país.

13

 

Estela De Hamurabi. Foto de Cláudia Lopes, 2011.

Influências da Antiguidade
Da história da humanidade, o mural destaca as influências do código de HAMURABI (1700 AC), originário da Babilônia, capital da antiga Mesopotâmia, onde são registradas referências à remuneração e às responsabilidades atribuídas aos “Médicos dos Animais” e, do Antigo Testamento, o texto bíblico de Gênesis 6,20 sobre a preservação dos animais.

Já na história do Brasil identificamos os elementos religiosos que inserimos no mapa. São as figuras dos padroeiros dos veterinários, Santo Egídio e São Brás; a fachada do 1º hospital veterinário no Brasil, localizado em Olinda, PE; seu fundador, o abade D. Pedro Roeser e o Tenente-Coronel João Muniz Barreto de Aragão, patrono do Serviço Veterinário do Exército.

O 1º hospital e seu fundador
Em 1911, em Olinda, Pernambuco, a Congregação Beneditina Brasileira do Mosteiro de São Bento, através do Abade D. Pedro Roeser, sugere a criação de uma instituição destinada ao ensino das ciências agrárias, ou seja, Agronomia e Veterinária.

Dom Pedro Roeser
Dom Pedro Roeser, OSB (1870 – 1955), com sua iniciativa, buscava soerguer a agricultura e a veterinária no Nordeste brasileiro. E, em 1912, funda a Escola Agrícola e Veterinária do Mosteiro de São Bento de Olinda, nos moldes das escolas alemãs, e, para tanto, trouxe especialistas europeus para formar o corpo docente da escola.
D. Pedro Roeser foi Abade de Olinda de 1907 a 1933.

Tenente-Coronel João Muniz Barreto de Aragão, Patrono do Serviço Veterinário do Exército

Muniz de Aragão, baiano de Santo Amaro, criou a Escola de Veterinária do Exército. Realizou o estudo do mormo no homem e a sobrevivência do rebanho equino brasileiro. A ele também deve-se a criação do Serviço de Defesa Sanitária Animal no Brasil e a fundação da Sociedade Médico-Cirúrgica Militar (em 17 de agosto de 1915).
Muniz de Aragão não era veterinário, mas sim um médico iluminado que criou, no exército do início do século, um quadro de especialistas em patologia animal. Uma idéia inédita de um homem de visão que, partindo praticamente do nada, dedicou-se a cuidar da saúde da cavalhada militar e da melhora das condições sanitárias dos quartéis, na inspeção de alimentos e forragens, na eliminação de agentes infecciosos e na pesquisa e produção de soros e vacinas.
Encarregado pelo Presidente da República, marechal Hermes da Fonseca, Muniz de Aragão organizou, para o Ministério da Agricultura, o Serviço de Defesa Sanitária Animal e de Produtos de Origem Animal, o que produziu reflexos positivos na saúde pública e no desempenho da economia brasileira.
Sob o ponto de vista da economia nacional, esse trabalho de Muniz de Aragão teve logo repercussão prática: o Brasil, podendo garantir a qualidade dos seus produtos de origem animal, passou, em pouco tempo, a ser um dos maiores exportadores mundiais de carne bovina congelada e derivados, tanto para a Europa, grandemente necessitada por causa da I Guerra Mundial, como para os Estados Unidos.

Santo Egídio (Saint-Gilles)

Santo Egídio viveu na França, no séc. VII. Foi Abade do Monastério Beneditino de Rio Rhône, onde hoje está o Monastério de Saint-Gilles.
Seu emblema é uma corsa, e a tradição assim nos conta:
Vivendo como eremita, Santo Egídio tinha como companhia uma corsa que se refugiava das caçadas organizadas pela realeza.
Certo dia um dos caçadores do rei dos visigodos da Espanha, atirou uma flecha certeira na corsa. Mas, em vez do animal morto, diz a tradição que encontraram Santo Egídio ferido. Ele teria desviado a flecha em sua direção de modo  a trespassar a sua mão e não a corça.
Impressionado com o milagre, o rei Wamba ordenou construir um pequeno monastério para Egídio.
Foi um dos santos mais populares da Idade Média, vários milagres são creditados a sua intercessão. Santo Egídio é padroeiro dos Veterinários juntamente com São Brás.
Sua festa é celebrada no dia 1 de setembro.

SÂO BRÁS (Saint-Blaise)
Nasceu na cidade de Sebaste, Armênia, no final do século III. São Brás, primeiramente, foi médico. Mas depois de certo tempo tentando conciliar sua profissão e a busca por Deus, Brás discerniu que precisava se retirar e recolheu-se no Monte Argeu, em penitência e oração.
Mas,ao falecer o bispo de Sebaste, o povo, conhecendo a fama do santo eremita, buscou-o para ser pastor. Ele, que vivia naquela constante renúncia, aceitou ser ordenado padre e depois bispo.
São Brás viveu num tempo em que a Igreja foi duramente perseguida pelo imperador do Oriente, Licínio, que era cunhado do imperador do Ocidente, Constantino. O prefeito de Sebaste, pretendendo agradar ao imperador, por saber da fama de santidade do bispo São Brás, enviou os soldados em perseguição para o Monte Argeu, lugar onde esse grande santo fez sua casa episcopal.
Um anjo recomendou a São Brás que se escondesse nas colinas. Ele assim o fez. Mas um fato estranho fez com que seus perseguidores o encontrassem: avistaram uma caverna cercada de animais selvagens. Aproximaram-se e viram dentro da caverna outros tantos animais, mas doentes e São Brás caminhando entre eles sem ser atacado.
São Brás foi preso, torturado e condenado a definhar de fome. Em 316, foi decapitado.
Ele é padroeiro dos animais selvagens e padroeiro dos Veterinários juntamente com Santo Egídio.
O dia de sua festa é 3 de fevereiro na Igreja Católica Apostólica Romana e 11 de fevereiro na Igreja Ortodoxa.

Símbolo da Medicina Veterinária

E finalizando, temos o símbolo do CFMV, de múltiplos significados, lembrando os segredos da vida terrena, a ressurreição, o auxílio e o suporte da assistência dada pelo médico ao paciente.
Enfatiza também as qualidades do profissional veterinário : a prudência, a vigilância, a sabedoria e sua missão na manutenção da vitalidade, do poder de regenerescência e preservação da saúde.
Fontes:
– Informações extraídas de artigos do Médico Veterinário e  Historiador Percy Infante Hatschbach.
– http://www.cfmv.org.br/portal/historia.php.
– http://www.exercito.gov.br/web/guest/aragao-servico-de-veterinaria
– http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br
Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930)
-La Bible et les Saints, Encyclopédie Tout l’Art, Flammarion,   Gaston Duchet-Suchaux, Michel Pastoureau, 1994

Pesquisa e texto: Véra Oliveira
Fotos: Cláudia Lopes

Odilon, Véra, Fabiano, Marly e Nilda.

4

 

Gisa, Marly, Nilda e Véra.

Mosaico Mural INFIRMI SANOS DOCENT

Criação, desenho e direção: Véra Oliveira
Integraram a equipe junto a Véra Oliveira: Gisa Zanon, Marly Vieira, Nilda Lopes, Odilon Oliveira e Fabiano Lopes
Brasília, 14 de maio de 2011

Ateliê Véra Oliveira
Brasília – DF
(61) 3273-1326 e 9985-0214 e 8141-8570
diveraoliveira@gmail.com

Localização do Mosaico Mural:
CFMV
SIA Trecho 6 – Lotes 130/140 – Brasília/DF
Horário para visitas: 08h às 12h – 13h às 17h de segunda a sexta-feira.

1 comentario para “Mosaico Mural de Véra Oliveira – II”

  1. Foi, e continua sendo um privilégio participar deste empreendimento. Realmente, colocando em prática a arte do mosaico aprendemos muito da história. Um painel instigante cujo conteúdo não se atém somente a um fim decorativo, mas também didático que merece ser admirado várias vezes, e isto enriquece o ambiente. Valeram os serões, a convivência mais de perto com a equipe, pois enriquecemos nosso conhecimento, técnica e principalmente nossa amizade!

Deixe um comentario